Campeonato Paranaense de Canoagem Velocidade

Aconteceu no Parque Náutico do Iguaçu, na Cidade de Curitiba, durante os dias 17, 18 e 19 de maio o Campeonato Paranaense de Canoagem Velocidade 2024, aproveitando a infraestrutura preparada para a 2ª Etapa da Copa Brasil, que também fez parte da programação oficial dos Jogos de Aventura e Natureza do Governo do Estado do Paraná.

Não é de hoje que o Governo do Estado do Paraná tem contribuído enormemente com o desenvolvimento da canoagem paranaense e brasileira. O atual governo, representado pelo Secretário Helio Wirbiski e todo o time da Paraná Esporte, tem agraciado a canoagem com vários programas, como o JAN – Jogos de Aventura e Natureza, PARAJAPS – Jogos Paralímpicos do Estado do Paraná e também os atletas de forma direta através das bolsas no programa GOP – Geração Olímpica e Paralímpica. Todo esse auxílio faz  o Estado crescer principalmente nas disciplinas olímpicas.

Na Copa Brasil participaram 24 equipes, sendo 08 do Estado do Paraná. Ao todo, fizeram as inscrições 168 atletas dos Estados da Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. A grande ausência ficou com os gaúchos, os quais costumam a ser uma das maiores delegações e nesse evento compareceram pouquíssimos atletas por conta da catástrofe sofrida em todo o Estado.

A Copa Brasil foi vencida pelo CRCascavel com 463 pontos, em segundo lugar PMSC (Prefeitura Municipal de Siqueira Campos) e em terceiro o Município de Lagoa Santa, de Minas Gerais. Apesar de chuvas constantes o evento foi considerado um sucesso pelas equipes e organizadores.

Quanto ao Paranaense o evento ocorreu como no ano passado. A FEPACAN aproveitou toda infraestrutura da Copa Brasil oferecida pelo Governo Estadual, para inserir nas provas classificatórias as tomadas de tempo que definiram o ranking dos atletas paranaenses. Assim, foi determinante para cada atleta paranaense andar bem já na fase classificatória, pois seria a única oportunidade para conquistar grandes resultados no Campeonato Paranaense de 2024 e, com isso, auxiliar na somatória de pontos para o GOP (Bolsa Atleta) do Governo do Estado do Paraná.

Apenas as distâncias olímpicas e paralímpicas pontuaram no evento recebendo 100 pontos cada medalha de ouro, 50 pontos para cada medalha de prata e 25 pontos o bronze.

Cascavel e Curitiba já se destacam no Estado do Paraná há tempos na Canoagem Velocidade, porém está surgindo uma nova força que é o Município de Siqueira Campos que tem investido forte neste esporte e hoje já briga pela hegemonia paranaense e se continuar assim, os gráficos demonstram que logo logo será a principal potência do Paraná.

Equipe                OURO (100) PRATA (50) BRONZE (25) PONTOS

CRC                         7                 4                  3              975

CRCuritiba                6                4                  0              800

PMSC                       4                6                  2             750

ICL                             3                3                 0             450

CKC                           3               1                 3              425

CRA                           1               0                 0             100

ARCCA                      0               1                 1               75

IMEL                          0              0                  1               25

JAN-CURITIBA-PARANAENSE VEOCIDADE

JAN-CURITIBA-PARANAENSE-EQUIPES

 

 

Campeonato Paranaense de Canoagem Velocidade e Paracanoagem 2024

Acontecerá de 16 a 19 de maio no Parque Náutico do Boqueirão, na Cidade de Curitiba, o Campeonato Paranaense de Canoagem Velocidade e Paracanoagem 2024. O evento acontecerá junto à Copa Brasil aproveitando as tomadas de tempo da fase inicial de cada categoria olímpica e paralímpica. Assim, todo atleta PARANAENSE que fez as inscrições para a Copa Brasil no prazo correto, estará também participando do Campeonato de seu Estado, o que poderá auxiliar no Bolsa Atleta do próximo ano.

Vale lembrar que mais uma vez é o Governo do Estado do Paraná quem estará bancando toda infraestrutura do evento nacional e estadual através da receita destinada aos Jogos de Aventura e Natureza – JAN. É o Paraná fazendo a diferença na canoagem brasileira.

CURITIBA-CAMP PARANAENSE – REGRAS

Novidade no PARAJAPS 2024

Seguindo o sucesso da introdução do Dragon Boat para mulheres com câncer de mama na edição 2023 dos Jogos Abertos Paradesportivos do Governo do Estado do Paraná, é com grande satisfação que a Federação Paranaense de Canoagem informa que está em negociação bastante avançada com a Diretoria de Esporte e Coordenação de Esporte de Rendimento da Paraná Esporte para introdução como modalidade de apresentação da categoria DI (Deficiência Intelectual), onde o atleta competirá nas embarcações de K2 TURISMO, em parceria com outro atleta que represente sua Cidade em competições oficiais normais.

Segundo informações, a inclusão dessa nova categoria no PARAJAPS 2024, que será realizado em junho na cidade de Londrina, está sendo bem vista pela comunidade e dirigentes do Jogos Paradesportivos. A intenção é englobar o DI também para Síndrome de Down e Transtorno do Espectro Autista (TEA). A FEPACAN aguarda ansiosa a definição das regras para os próximos dias e adianta a notícia com o objetivo de que haja tempo suficiente para os Clubes prepararem seus representantes.

Todos sabem que o sucesso da disciplina depende da participação efetiva dos Municípios que por sua vez contam com os Clubes de Canoagem. Dessa forma, a FEPACAN solicita a todos os filiados que colaborem com essa nova disciplina, pois abrirá um leque enorme de possibilidades de parcerias com APAES, Clínicas e diversas instituições onde o esporte da canoagem parecia ser inviável. Oxalá essa categoria tenha o mesmo êxito do Dragon Boat no Paraná. É a canoagem paranaense construindo uma nova história através do suporte de um Governo que realmente valoriza todos os níveis da prática esportiva.

Dragon Boat agora é oficial no PARAJAPS

Hoje (7/02/2024) é mais um dia memorável na canoagem paranaense, pois a Federação acaba de ser informada que o Dragon Boat tripulado por mulheres que enfrentam ou enfrentaram o câncer de mama está dentro da programação oficial dos Jogos Paralimpicos do Paraná – PARAJAPS.

No ano passado, na Cidade de Foz do Iguaçu, os times dos municípios de Foz do Iguaçu, Curitiba e Londrina fizeram um grande evento de demonstração que contou com a participação de quase 70 atletas vitimadas pela terrível doença e que hoje vivenciam um esporte que muitas jamais imaginavam um dia praticar.

A canoagem foi uma benção para essas atletas e seus familiares que não param de relatar o quanto o esporte transformou suas vidas. Graças ao Governo do Estado do Paraná e Secretaria do Esporte, aquilo que seria utópico há um período não muito distante quando lutravam pela sobrevivência, hoje a  participação esportiva virou realidade e todas essas guerreiras continuarão representando seus respectivos municípios no maior evento paradesportivo do Estado do Paraná.

Oxalá ingressem mais equipes no PARAJAPS pois é necessário continuar surgindo municípios interessados no esporte e na causa/propósito dessas remadoras. Todas elas são campeãs, mesmo sem entrar no barco.

Seletiva Nacional de Canoagem Slalom – Paraná é o destaque

Segundo a matéria publicada no site da Confederação Brasileira de Canoagem, de 1° a 4 de fevereiro foram realizadas no Parque Deodoro, no Rio de Janeiro, as seletivas nacionais para definição dos atletas que representarão o Brasil nos eventos internacionais de 2024.

Ao todo foram disputadas 38 vagas para as respectivas embarcações de Canoagem Slalom e Canoagem Slalom Cross, onde os atletas paranaenses conseguiram 27 vagas (71%), os atletas paulistas 8 vagas (21%) e gaúchos com 3 vagas (8%), demonstrando mais uma vez em números, o que há muito tempo já se sabe, que o celeiro da Canoagem Slalom Nacional está realmente no Estado do Paraná.

Fonte e imagem: ASCOM CBCa

07/02/2024 11:03

Seletiva Nacional de Canoagem Slalom definiu os convocados para a temporada 2024
Os atletas mostraram todo seu empenho durante os quatro dias de seletiva, com descidas intensas, máxima concentração e doses elevadas de adrenalina. O Parque Radical de Deodoro, no Rio de Janeiro, foi palco neste último final de semana (01 e 04) da Seletiva Nacional de Canoagem Slalom (Júnior – Sub-23 e Sênior) e Caiaque Cross (Júnior e Sênior) para a temporada de 2024.

A competição contou com a participação de mais de 40 atletas que buscaram uma vaga na Equipe Permanente, visando representar o Brasil em diversas competições internacionais ao longo do ano. Dentre os eventos destacam-se os Jogos Olímpicos de Paris 2024 – Canoagem Slalom, a Seletiva Continental que será durante o Campeonato Pan-americano que acontece entre os dias 15 a 17 de março, Copas do Mundo e Campeonato Mundial Júnior e Sub-23 de Canoagem Slalom e Caiaque Cross, além do Mundial de Caiaque Cross, que servirá como seletiva olímpica.

+ Convocação da Equipe Permanente de Canoagem Slalom – Pan-Americano 2024

Pepê Gonçalves avaliou o nível de dificuldade da competição. “Seletiva Nacional é sempre muito difícil, o nível no Brasil está cada vez mais alto, a gente tem que suar e deixar tudo na água para a Seletiva Nacional. Felizmente eu tive 100% de aproveitamento, fiz duas descidas de medalha olímpica no Slalom. No Cross também fui muito bem. Foi um treino para as próximas etapas que estão por vir, o foco é ir com tudo para a final olímpica”, disse Pepê.

Kauã novamente se classificou no C1, e comentou sobre a disputa apertada com o Charles. “Estou feliz por ter conseguido primeiro lugar nos dois dias e com essa prova que foi muito boa também. Eu e o Charles temos uma disputa saudável, nós treinamos juntos e é muito bom, porque querendo ou não na água somos concorrentes, e isso traz o melhor de cada um. Mas fora d’água somos amigos, um sempre ajudando o outro. A seletiva foi só a primeira etapa de um ano bastante decisivo e já começamos a pegar o ritmo de competição novamente para chegar bem confiante para o Panamericano”.

Já Omira, contou como foi a participação saindo vitoriosa em duas descidas, tanto no K1 quanto no C1. “Foi um pouco complicado pra mim, eu tive o treinamento da FAB e acabei ficando doente uma semana antes. Então faz quase um mês que eu não estou treinando no máximo que eu posso, mas estou muito feliz com o resultado, agora vou focar mais e treinar bastante para recuperar o tempo perdido. Para o Pan que vai ser aqui no Rio de Janeiro, a expectativa vai lá para cima porque é o canal que a gente rema todo dia, tem gente bastante forte na disputa, tem uma americana, uma mexicana e eu vou competir contra a minha irmã, Ana, novamente, a concorrência a gente tem e está alta, mas eu vou dar o meu melhor”, falou Omira.

Durante os quatro dias de competição, a seletiva nacional contou com a supervisão do treinador nacional Ettore Ivaldi e do auxiliar técnico Ricardo Martins Taques. Ambos desempenharam um papel crucial na avaliação dos índices dos atletas e na análise de desempenho. Ettore Ivaldi, em particular, dedicou-se a observar de perto o rendimento dos competidores. “A seletiva reafirma o valor dos atletas que já conhecemos. Destaco Pepê e Mathieus como os melhores no K1, apresentando um desempenho  superior aos demais. No C1, a performance de Charles e Kauã demonstra um notável crescimento. Estou extremamente satisfeito com esses resultados, agora, é hora de redobrarmos nossos esforços nos treinamentos e mantermos o foco no objetivo do Campeonato Pan-americano”, concluiu Ivaldi.

Veja o ranking dos atletas na Seletiva:

CANOAGEM SLALOM

K1 Feminino Junior
1º Lugar: Milena Sofia – IMEL – PARANÁ
2º Lugar: Anna Clara Leal – ATOCA – PARANÁ
3º Lugar: Micaelly Godoi – ATOCA – PARANÁ

K1 Feminino Sub23
1º Lugar: Daniela Sofia – IMEL – PARANÁ
2º Lugar: Poliana Sofia – IMEL – PARANÁ

K1 Feminino Sênior
1º Lugar: Omira Estacia Neta – IMEL – PARANÁ

K1 Masculino Jr
1º Lugar: Jose A. V. De Souza – APEN – SÃO PAULO
2º Lugar: Natan S. Fros – ASTECA – RIO GRANDE DO SUL
3º Lugar: Emanoel Barcelos – ATOCA – PARANÁ

K1 Masculino S23
1º Lugar: Allan K. Da S. Ferreira; – SEMEANDO – PARANÁ
2º Lugar: Victor E. Carneiro – SEMEANDO – PARANÁ
3º Lugar: Patricio Di Monaco – IMEL – PARANÁ

K1 Masculino Sênior
1º Lugar: Pedro Gonçalves – APEN – SÃO PAULO
2º Lugar: Mathieu Desnos – SEMEANDO – PARANÁ
3º Lugar: Guilherme Mapelli- ASTECA – RIO GRANDE DO SUL

C1 Masculino S23
1º Lugar: Vinicius Sofia – IMEL – PARANÁ
2º Lugar: Luiz A P Machado – SEMEANDO – PARANÁ
3º Lugar: Kleber Kerling – ATOCA – PARANÁ

C1 Masculino Sênior
1º Lugar: Kauã Da Silva (menor somatória de percentual nas 2 provas validadas) – APEN- SÃO PAULO
1º Lugar: Charles Correa (menor percentual estabelecido em toda a seletiva) – APEN – SÃO PAULO
3º Lugar: Henrique Souza – APEN – SÃO PAULO

C1 Feminino Sênior
1º Lugar: Omira Estacia Neta – IMEL- PARANÁ
2º Lugar: Beatriz Motta – APEN – SÃO PAULO

C1 Feminino Jr
1º Lugar: Milena Sofia – IMEL – PARANÁ

C1 Feminino Jr
1º Lugar: Daniela Sofia – IMEL – PARANÁ
1º Lugar: Poliana Sofia – IMEL -PARANÁ

+ Veja aqui o resultado completo

CAIAQUE CROSS
FK1 Slalom Cross Jr
1º Lugar: Anna Clara Leal (ATOCA) – PARANÁ
2º Lugar: Micaelly Godoi (ATOCA) – PARANÁ
3º Lugar: Milena Sofia (IMEL) – PARANÁ

FK1 Slalom Cross Sr
1º Lugar: Omira Estacia Neta (IMEL) – PARANÁ
2º Lugar: Beatriz Motta (APEN) – SÃO PAULO
3º Lugar: Daniela Sofia (IMEL) – PARANÁ

MK1 Slalom Cross Jr
1º Lugar: Emanoel Barcelos (ATOCA) – PARANÁ
2º Lugar: Luccas F. de P. dos Santos (SEMEANDO) – PARANÁ
3º Lugar: Natan S. Fros (ASTECA) – RIO GRANDE DO SUL

MK1 Slalom Cross Sr
1º Lugar: Pedro H. Gonçalves (APEN) – SÃO PAULO
2º Lugar: Mathieu V. Desnos (SEMEANDO) – PARANÁ
3º Lugar: Fabio S. D. Rodrigues (IMEL) – PARANÁ

+ Veja aqui o resultado completo

É importante ressaltar que a atleta Ana Sátila já assegurou seu lugar na Equipe Permanente após a classificação olímpica no Mundial de Londres (2023), garantindo sua participação nos Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Campeonato Pan-americano de Caiaque Polo

05/12/2024

Aconteceu nos dias 1º, 2 e 3 de dezembro na pequena Cidade de Tomazina, localizada na região denominada de Norte Pioneiro do Estado do Paraná, o Campeonato Pan-americano de Caiaque Polo que contou com a presença de equipes do Brasil, Argentina, Estados Unidos e Guiana Francesa. O evento apresentou uma excelente infraestrutura através dos patrocinadores Itaipu Binacional, COPEL e Prefeitura Municipal de Tomazina.

Embora o Caiaque Polo seja a prática ideal para a iniciação segura e eficaz da canoagem, pois além da questão de se trabalhar em piscinas ou pequenos lagos o número de fundamentos utilizados nas manobras de propulsão, manobras de condução, manobras de equilíbrio e manobras combinadas é muito maior que qualquer outra modalidade, seja comparando às olímpicas (Slalom e Velocidade) ou às diversas não-olímpica. Infelizmente, porém, este jogo é muito pouco prestigiado pelas Federações Internacionais, simplesmente pelo fato da modalidade não estar inserido no programa olímpico.

O Campeonato Pan-americano de 2023 mostrou que esse contrassenso tem que ser encarado de frente pelos dirigentes do continente, pois o Caiaque Polo tem o potencial estratégico de ser a solução para o aumento quantitativo de atletas para os diversos países do Continente que não investem em canoagem pelo custo considerado excessivo ou pela falta de infraestrutura.  Ao se trabalhar em pequenas piscinas de forma organizada e obedecendo uma metodologia padrão, estes atletas serão capazes em pequenos espaços de tempo representarem seus países não só em Caiaque Polo como também em Canoagem Slalom e Canoagem Velocidade.

O grau de confiabilidade e apoio público ou privado na canoagem no Continente Americano é completamente diferente do Continente Europeu e exatamente por essa razão, o Planejamento Estratégico de desenvolvimento também tem que partir para outra forma de visão. Primeiro vislumbrar a questão quantitativa de atletas e países e depois, em um segundo passo e em período bem à frente, a questão qualitativa.

Se não for assim os Jogos Sul-americanos terão participação de apenas 3 países (no Slalom) e os Jogos Pan-americanos a participação de 5 ou 6 países (mulheres menos ainda). Se as Federações começarem a investir no Caiaque Polo, qualquer atleta poderá representar seu respectivo país nos Jogos realizados neste Continente, seja na Velocidade, seja no Slalom ou Cross.

Em Tomazina, na categoria masculina principal, o Brasil disputou a final contra os Estados Unidos e venceu o jogo muito bem. O atleta Caio Rosa foi o artilheiro da categoria na competição, com seus 12 gols marcados.

Já na categoria masculina sub 21, o jogo foi contra a equipe A da Argentina, foi uma final muito disputada, mas o Brasil conseguiu ser melhor e levou o título. O artilheiro foi o atleta Lucas com nove gols.

O Brasil ainda chegou a final da categoria sub 21 feminina contra a Argentina, mas acabou ficando em segundo lugar. Porém nossas atletas se destacaram na artilharia da categoria. Com cinco gols cada, Ana Julia da equipe A brasileira e Helena da equipe B ficaram empatadas com Kyara da Argentina como maiores artilheiras.

Paulo Zulu, capitão e nº 10 da seleção, destacou que o evento não deixou a desejar em relação às competições internacionais. Ele ressaltou o excelente trabalho realizado pelos alunos, que resultou em um legado significativo para eles mesmos.

Diniz Mbure, ala ofensivo e guarda defensivo da equipe brasileira também compartilhou sua experiência no campeonato. “Foi incrível e excelente, apresentando um nível de competição internacional que não deixou nada a desejar em comparação aos campeonatos europeus, que são referência para a modalidade”, disse Diniz

“Tomazina acolheu muito bem todas as equipes participantes, envolvendo quatro países no torneio pan-americano. Foi o primeiro Campeonato Pan-Americano em que não foi cobrada taxa de inscrição dos atletas, e todos foram isentos da taxa de arbitragem. E mesmo assim, os árbitros foram remunerados, e houve alimentação e hospedagem para os competidores”

Ele compartilhou a sua análise sobre a equipe durante o campeonato “A primeira partida não foi tão boa para nós, sentimos que faltava um pouco mais de vontade e precisávamos aprimorar alguns detalhes. Mas ao longo do campeonato conseguimos evoluir bastante e chegamos forte na final” disse o capitão.

“Os Estados Unidos eram uma pedra no sapato desde a final de 2019, onde eles venceram na prorrogação com o Golden Goal. Então a cada jogo que enfrentamos os Estados Unidos era uma grande expectativa a todo momento. E o melhor foi a final, onde conquistamos novamente a taça. Apesar de não ter sido um placar tão elástico, foi uma oportunidade para colocarmos em prática tudo o que aprendemos e sair vitoriosos mais uma vez” completou Zulu

Diniz Mbure também falou sobre o desempenho da equipe. “Acredito que a equipe brasileira teve um papel excelente ao longo de toda a competição. A harmonia entre os atletas, o foco no objetivo e a preparação realizada foram fatores que nos ajudaram a chegar o resultado desejado: a classificação do Brasil para o próximo campeonato mundial e a conquista do título, que representa o sétimo título pan-americano para o Brasil. Somos de longe o país das Américas com a maior quantidade de títulos na categoria sênior masculina” disse Diniz.

“Os confrontos foram bons. Apesar do equilíbrio, era incerto o vencedor de cada partida, embora os Estados Unidos fossem considerados favoritos. Destaco a inteligência do técnico, Fernando, que soube comandar e utilizar as peças da melhor maneira possível” continuou o atleta.

Paulo Zulu ainda deixou uma mensagem para a comunidade do Caiaque Polo. “O sonho de vocês vai além do espetáculo da competição. É sobre viver a canoagem no dia a dia, aprimorando-se sempre para se tornarem não apenas bons, mas excelentes atletas. Com isso, vocês também se tornarão cidadãos dignos, contribuindo não só para suas famílias, mas para suas comunidades e cidades. A persistência, a dedicação e o comprometimento no dia a dia são fundamentais para alcançar esses objetivos. Vista seu sonho e transforme em realidade” disse ele.

O evento aconteceu no Parque das Corredeiras entre os dias 01 e 03 de dezembro de 2023, E foi realizado pela Confederação Brasileira de Canoagem, Confederação Pan-Americana de Canoagem, com apoio do Governo Estadual e Prefeitura de Tomazina.

Resultados Gerais

No Sub 21, aconteceu o famoso embate entre a rivalidade Brasil e Argentina. No Sub 21 feminino, a Argentina ficou com o ouro ao vencer a equipe A do brasil, que ficou com a medalha de prata. Brasil B ficou com a terceira posição. Já no Sub 21 masculino, foi a seleção brasileira A que conquistou a medalha de ouro, a Argentina A ficou com o segundo lugar, a equipe B do Brasil ficou com o bronze.

No Masculino Sênior, o Brasil também foi campeão mas desta vez em cima dos Estados Unidos, enquanto a Argentina ficou com o terceiro lugar. Já na na categoria feminina sênior a Argentina levou a melhor e conquistou o ouro na final contra a Guiana Francesa, o Brasil terminou na terceira posição.

Conheça o Caiaque Polo

Para quem não conhece o Caiaque Polo, o esporte é uma modalidade que exige força, técnica e traz junto a paixão e as regras do futebol/basquete para um jogo que é divertido e intrigante. Cada time pode ter 8 atletas na água, cinco titulares e 3 reservas. Mas o jogo é tão dinâmico que não possui posições fixas e a troca entre titulares e reservas pode ser feita sem parar o jogo.

O chute é feito com as mãos e o gol fica afixado a 2 metros de altura do nível da água. Assim como no futebol, tem lateral, escanteio e pênalti. Também possui cartões amarelo e vermelho, mas tem o cartão verde (parecido com o amarelo, mas em faltas menos graves). Ganha quem fizer mais gols. Os tempos são de 10 minutos cada lado e intervalo de 3 minutos. Se o jogo empatar, vai para o Golden Gol (quem fizer o gol primeiro ganha).

O remo não pode ficar próximo ao corpo da pessoa, isso é falta e a bola vai para o time adversário. Também cada jogador tem 5 segundos apenas para ficar com a bola parada, a ideia é ser um jogo de troca de passes rápido e enérgico. O ataque tem 1 minuto para fazer sua tentativa de chutar ao gol. Como o gol fica 2 metros acima do nível da água, o remo é usado para a defesa.

 

Jogos Paralímpicos do Estado do Paraná

25/11/2023

Foz do Iguaçu sediou entre os dias 19 a 22 de novembro os Jogos Paraolímpicos oficiais do Governo do Estado do Paraná, mais conhecido como o PARAJAPS. Nesta 11ª Edição, aproximadamente dois mil atletas, de 49 municípios paranaenses, estiveram participando em diversas categorias sendo considerado o maior número de paratletas desde a sua criação.

A canoagem foi uma das responsáveis por esse aumento substancial de atletas, pois ao inserir o Dragon Boat junto à Paracanoagem o número de aproximadamente 40 atletas na 10ª Edição que aconteceu na Cidade de Londrina, passou a 117 paracanoístas em Foz do Iguaçu. Mesmo sendo modalidade de apresentação, o Dragon Boat, sem dúvida, foi um dos grandes destaques desta Edição e estiveram presentes 3 grandes Clubes representando as Cidades de Foz do Iguaçu, Curitiba e Londrina. Não foi fácil estabelecer parceria com os Municípios de Londrina, Curitiba e Foz do Iguaçu para encaminhar um planejamento à Paraná Esporte que justificasse a inserção de uma nova disciplina. Sem o apoio desses municípios seria praticamente impossível imaginar o Dragon Boat nos PARAJAPS. Entretanto, o show promovido pelas mulheres que venceram o câncer de mama, dificilmente deixará de ser disciplina oficial no futuro próximo.

DRAGON BOAT

Embarcação de 15 metros de cumprimento por 1 de largura, pesando em torno de 250 kg, o gigante da canoagem é conduzido por um time de 22 atletas, vítimas de câncer de mama. Essas mulheres fantásticas protagonizaram competições inesquecíveis que jamais serão esquecidas pelas participantes ou pelos familiares que compareceram em grande número para assistir e torcer.

As meninas adoraram a experiência competitiva. Ao agradecer a Federação Paranaense de Canoagem pelo esforço em colocar a disciplina nos Jogos Oficiais do Estado, a atleta Kemeli Zaghi Cavalcante disse:

“Muita gratidão de todas nós pelo esforço que vocês fizeram para colocar o Dragon Boat nos Jogos Paralímpicos do Paraná. Vocês não têm ideia do quanto isso é importante para as pessoas que passam ou passaram por esse mal que é o câncer de mama. Eterna GRATIDÃO para todos vocês que trabalharam incansavelmente por nós”.

A capitã do time, Regyna Maura, ratifica dizendo:

“Nossa equipe treinou muito com o Guto, Angel, Carol e com todas as pessoas que se prontificaram a nos auxiliar. Somos gratas de coração a cada um que de uma forma ou outra nos auxiliou nessa jornada e à Itaipu Binacional que nos brindou com esse importante projeto o qual estamos utilizando para alavancar a bandeira da prevenção ao câncer de mama. Não posso deixar de agradecer a Prefeitura Municipal e ao Iate Clube Lago de Itaipu, que são dois grandes parceiros e nos permitiram alcançar o resultado de CAMPEÃS do Parajaps 2023. Que venham mais Jogos como esses que estaremos ainda mais treinadas”.

 

Canoagem Slalom retorna do Sul-americano em Los Queñes com 14 medalhas

Fonte: ASCOM CBCa

De 17 a 19 de novembro foi realizado o Campeonato Sul-americano de Canoagem Slalom e Caiaque Cross em Los Queñes, no Chile. O Brasil voltou para casa com 14 medalhas, sendo 6 de ouro, 6 de prata e 2 de bronze. Ao todo 11 atletas brasileiros estiveram presentes na competição.

Os paranaenses Allan Kauã, Luiz Antonio Pereira, Felipe Borges, Daniela Sofia, Poliana Sofia, Milena Sofia e Marina Souza trouxeram medalhas para a casa:

No Caiaque Masculino Sub-23, o atleta Allan Kauã (Tibagi) garantiu a sua medalha de ouro. Já no Caiaque Masculino Sênior, Mathieu Desnos (Tibagi) ficou com o segundo lugar na classificação geral. Na prova Canoa Masculina Sub-23, Luiz Antônio Pereira (Tibagi) conquistou a prata. Na Canoa Masculina Sênior, o atleta Felipe Borges (Foz do Iguaçu) também conquistou o segundo lugar. Na Canoa Feminina Júnior, Daniela Sofia (Foz do Igauçu) garantiu o primeiro lugar. Sua irmã, Poliana Sofia (Foz do Iguaçu), subiu ao lugar mais alto do pódio na Canoa Sub-23, finalizou com a prata no Caiaque Feminino Sub-23 e bronze no Caiaque Cross Sênior. Por fim, a jovem revelação da família, Milena Sofia (Foz do Iguaçu), ficou com o ouro no Caiaque Feminino Júnior. A experiente Marina Souza (Foz do Iguaçu) terminou a prova do Caiaque Feminino Sênior com o bronze.

Caiaque Cross

No Caiaque Cross feminino, a atleta Daniela Sofia volta para casa com a medalha de ouro na categoria Júnior.

Já Milena Sofia também competiu na mesma prova e ficou com a prata. “O meu desempenho foi muito bom, porém, cometi falhas em algumas partes da pista que corrigirei com os treinos posteriormente. A competição foi tranquila, não era um rio muito forte, contudo, foi um campeonato internacional e eu consegui atingir os objetivos para esta competição, ficando no lugar mais alto do pódio nas categorias que competi.

Sou muito grata pelos resultados conquistados”, afirmou Daniela Sofia. A atleta, que é membro da tradicional família Sofia, também comentou como é a sensação de disputar junto às suas irmãs. “Competir em família é bom porque temos um grande apoio e me sinto mais confiante para fazer as minhas provas, estou levando muitas coisas boas deste Sul-americano. Além disso, tive a oportunidade de competir em outro país, conheci pessoas novas e pude representar o Brasil mais uma vez. Eu agradeço muito toda a organização do evento por ter nos recebido tão bem e pelo apoio para que todos os atletas fizessem uma ótima descida no Sul-americano”, finalizou Daniela.

André de Paula (Tibagi), acumulou funções neste Sul-americano, como atleta conquistou a medalha de prata no Caiaque Cross Sênior e também foi o Coordenador da Associação Semeando Sonhos no mesmo evento. Nesse sentido, destacou a importância da participação dos atletas de Tibagi neste Sul-americano. “Foi um prazer para a Associação Semeando Sonhos poder participar do Sul-americano. Além das jovens revelações da nossa escola, pudemos contar com a experiência dos atletas Luiz Antônio, Alan Kauan e  Mathieu Desnos.

A importância para eles vai além das medalhas que trouxeram, pois estão ganhando experiência em competições internacionais. Isso é algo que valorizamos em nosso projeto na cidade de Tibagi-PR. Ao participarem, eles se tornam espelhos para os mais novos da Associação, contribuindo para o crescimento de todos. Acredito que é uma vitória para toda a equipe, pois esses atletas se destacam não apenas por suas conquistas, mas também por servirem de inspiração para os demais, vindo a fortalecer a nossa associação como um todo”.

Atleta IMEL é medalhista nos Jogos Pan-americanos

A atleta filiada ao Instituto Meninos do Lago, de Foz do Iguaçu, Omira Maria Estácia Neta, conquistou medalha de prata na Canoagem Slalom nos Jogos Pan-americanos de Santiago na categoria K1 Feminino. As provas dessa disciplina aconteceram no Rio Aconcágua na Cidade de Los Andes, distante aproximadamente 80 Km da capital, às margens da Cordilheira.

Irmã de Ana Sátila Vieira Vargas que acabou ganhando duas medalhas de ouro no mesmo evento nas disputas de C1F e no Cross, ambas mantém residência na Cidade de Foz do Iguaçu onde permanece a família, muito embora os treinamentos aconteçam no Parque Radical, em Deodoro, no Rio de Janeiro. Ana se transferiu neste ano de 2023 para o Clube Botafogo de Futebol e Regatas, porém Omira continua representando as cores do IMEL e do Estado do Paraná sendo inclusive bolsista do GOP (Geração Olímpica do Paraná).

No Chile Omira Estácia cruzou a linha de chegada com seus 110s54 no K1 e conquistou a segunda colocação, atrás da americana Evy Leibfarth: “Garanti a minha medalha de prata, mas dá sempre para melhorar, eu acho que poderia ter melhorado, pois tive muito toque nas balizas, erros de linha, mas já estou feliz com minha medalha, focar para a próxima, estou muito emocionada, recebi muito apoio aqui. Antes da minha decida, estava ali nos bastidores torcendo para minha irmã Ana, que fez uma descida perfeita, analisei todos os pontos dela, tentei copiar e agora estou dedicando essa medalha de prata pra muitas pessoas, meu técnico, meu pai, mãe, irmã, tanta gente que me apoiou e me ajudou a estar aqui que dedico essa conquista para um monte de pessoas”, disse Omira.